Notícias

 

1# Há quantos anos é treinador? E desta equipe?
Sou treinador de futebol há 12 anos, sendo 2 anos no Corinthians e 6 meses com a categoria 2012.

2# Por que escolheu ser treinador de futebol? Por que o futebol juvenil?
Joguei bola na infância e segui o sonho através dos estudos, tornando me professor de Educação Física. Não tenho preferência por categoria, acredito no potencial de todas as idades.

3# Qual o seu maior sonho enquanto treinador?
Enquanto treinador eu teria mais de um sonho. Mas um deles seria poder proporcionar aprendizado e ensinamentos, na formação de crianças realizando sonhos e alegrias, atingindo também jovens e até adultos e um dia me tornar treinador profissional.

4# O que é mais difícil para você: educar os jogadores ou os pais? Por quê?
O foco na educação sempre serão as crianças, mostrando para elas questões sócio-emocionais além das 4 linhas. Já para os pais demonstramos boas atitudes com os exemplos dos próprios filhos e feedbacks periodicamente. Gosto muito de uma frase do nosso ídolo Ayrton Senna que diz:

“Se a gente quiser modificar alguma coisa, é pelas crianças que devemos começar. Devemos respeitar e educar nossas crianças para que o futuro das nações e do planeta seja digno”.

5# Qual a importância para você de conciliar os estudos com os treinos? O seu clube ajuda de alguma forma os atletas neste sentido?
A importância dos estudos tenho certeza de buscar sempre novos aprendizados e conhecimentos, pois é gratificante para que nossos atletas, alunos, crianças e adolescentes tenham o prazer de aprender coisas novas e com isso compartilhar conhecimentos e ideias com todos como uma forma de ampliar novos conceitos de estudos e treinos. Posso falar pelo meu departamento, onde o incentivo ao estudo se da por ações estratégicas como por exemplo analisar os boletim escolares, convocações por media escolar, etc.

6# Qual atleta profissional gostaria de apresentar aos seus jogadores? Qual o motivo?
Eu gostaria de apresentar Ronaldo “Fenômeno” pelos motivos:
- Carreira de sucesso;
- Histórico de lesões e suas recuperações;
- Destaque na seleção brasileira;
- Atleta Corinthians.

7# O que pensa dos quadros competitivos nas categorias mais jovens no Brasil? O que mudaria?
Eu acredito no potencial da competição como uma forma de aprendizagem para questões sociais e questões esportivas futuras. Eu mudaria a questão da cobrança tornando a um pouco menos excessiva.

8# Como descobriu o IberCup e em quantas edições participou?
Já conhecia há muitos anos através da mídias sociais, porem minha participação se deu em 2018 e 2019.

9# O que mais gostou durante os torneios e o que acha que podemos melhorar?
O torneio em si foi excelente, eu mudaria a questão do intervalo dos jogos no mesmo dia e adaptação na categoria sub7 para 6x6.

10# Considera uma experiência útil para os atletas jovens viajarem para o estrangeiro e jogarem contra equipas de todo o Mundo?
Experiências enriquecedoras, pois conheceremos lugares, pessoas e suas culturas tambem vinculadas ao esporte e educação.

11# O que diria a um treinador que queira vir ao IberCup?
Eu diria para curtir bastante todos os momentos, criar novos vínculos profissionais e amizades, fortalecendo o esporte, o campeonato e as crianças.

12# Qual torneio IberCup você gostou mais? Por quê?
As duas edições foram incríveis, porém a 2019 tem um “sabor” especial, pois pude me consagrar campeão!

13# Qual a expectativa para os próximos anos no IberCup?
Expectativa muito grande, pelo fato que sempre viveremos ótimos momentos com amigos e atletas, tornando cada torneio especial e inesquecível!